Pós-Produção: Finalize Seu Trabalho No Estilo

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Falaê, geral! Beleza? O tema de hoje é pós-produção.

Você já compôs, ensaiou com sua banda, arranjaram as músicas, fizeram a pré-produção, a captação, a mixagem a masterização…, ou seja, acabou a produção!

Eba! Hora de sair por aí divulgando o trabalho e vendendo shows, certo?

NÃÃÃÃÃÃO!

Me’rmão, ter a música gravada é só uma parte de toda a trabalheira.

Para que o trabalho esteja apresentável você e sua banda ainda têm muito o que suar!

É hora da pós-produção!

Fonte: http: cdn.playbuzz.com

 Registro dos Fonogramas

Antes de mais nada informe-se sobre os registros dos fonogramas. Se você colou com a gente pode dar uma olhada aqui sobre como fazer isso. Já fizemos um post tratando desse assunto. Mas se achou trabalhoso então fazemos isso para você.

Evidentemente que à essa altura as suas composições já deveriam estar devidamente registradas, não é? Se você ainda não fez isso então vá correndo fazer, vacilão!

Iiih! Mas, ‘peraí’…, você agora está confuso? Primeiro falo em registro de fonograma e depois em registro da composição?!?…

Ok! Não fique aí com essa cara de quem perdeu o carro no estacionamento do shopping!

No entanto falaremos brevemente sobre isso agora. Então, vamos às explicações.

Composição

Composição é a música e a letra em seu estado mais…, digamos…, cru.

E atenção para o “r” na palavrinha para não entender um palavrão, heim! Eu disse “cRu”!

Fonte: media.tumblr.com

Então…, você faz o registro de uma composição usando para isso a música com letra e melodia escritas numa partitura.

Se você não escreve partituras então contrate os serviços de um copista, que fará isso para você e, claro, cobrará pelo trabalho. Geralmente cobram por música.

Fonograma

Já um fonograma é uma manifestação mais pronta, com um arranjo, participação de vários músicos, frequentemente com refinamentos de produtor musical, trabalho de estúdio, etc.

Portanto uma composição pode gerar vários fonogramas, ou versões. E para cada uma delas houve a participação de diversos profissionais, sejam músicos ou técnicos. 

Código ISRC

Quando da confecção da master devem ser inseridos os códigos ISRC (International Standart Recording Code).

O site Somos Música informa (http://somosmusica.com.br/voce-sabe-o-que-e-isrc/) informa que código ISRC é um código “fonográfico que funciona em qualquer lugar do mundo e serve para identificar a sua música.

Regulamentado pela Lei 4.533, tem seu uso obrigatório determinado para todas as produções fonográficas brasileiras.”

“O Somos Música acrescenta que “ele é o CPF da sua música. Serve para garantir os seus direitos sobre a sua obra, por isso deve estar sempre no nome da pessoa física ou jurídica que financiou a produção fonográfica.”

O site ainda reforça que “é importante você mesmo fazer o seu ISRC, assim garante os benefícios trazidos por este código, além de garantir plenamente a propriedade sobre as suas músicas.”

“Quando um terceiro gera para você o código, significa que ele será o titular dos seus direitos, então tome cuidado.”

“Vamos supor que sua música toque nas rádios. Você só vai receber seus direitos de execução do eCad se tiver o ISRC, portanto é fundamental gerar o ISRC.”

“O Ecad paga por execução pública não só em rádios, mas também TV, shows, bares, loja e em qualquer outra execução pública.”

Créditos

Cada vez mais o cd/ep físicos são menos importantes, estão em fase de extinção. Apesar disso ainda é conveniente ter suas músicas em cd/ep para eventualmente usar como “cartão de visitas”.

Também pode ser legal vender algumas cópias durante os shows, embora hoje já haja opções de dowload através de QR Code. Basta colocá-los em banners e divulgá-los durante as apresentações.

Independente de tudo isso, é sempre de bom tom que se dê os devidos créditos à equipe que participou da produção e da pós-produção.

Faça isso no encarte, ou no site, ou no arquivo MP3, etc. Mas, não deixe de fazê-lo. Afinal, a César o que é de César! E tudo isso caracteriza um fonograma e um responsável (produtor fonográfico).

Fonte: Google.com

O Manual de Bolso da Produção Musical(e da pós-produção0, de Dennis Zasnicoff ensina que “o requerimento de ISRC exige uma listagem de participantes.”

“Porém, mais importante, é compreender direitos e deveres, discutir participações, porcentagens e direitos conexos entre todas as partes – autor, intérprete, técnico, produtor, gravadora etc.”

“Eventualmente, contratos serão necessários, bem como assessoria jurídica. Advogados especializados em direitos autorais podem ajudar nestas questões, que nem sempre são claras.”

Zasnicoff explica que isso, além de garantir a renda para cada participante da produção, permite clareza contratual a clareza contratual e as discussões deixarão todos os envolvidos confortáveis com as decisões.

“Isso é muito importante para a confiança e a dedicação em trabalhos futuros”, encerra o produtor musical.

Fotos

Vivemos num mundo em que a imagem ganha importância cada vez maior. Em se tratando de artistas aí isso é ainda mais preponderante.

Ela deve registrar de forma incisiva e afirmativa a imagem do artista. Para isso os pontos positivos devem ser ressaltados.

Caso ele não tenha pontos fortes em termos de imagem sugiro investir em alguns outros aspectos. Por exemplo, usar mais ilustrações do que fotos no material de divulgação.

No caso de artista solo isso não é tão fácil, pois todos querem ver quem é o artista. No caso de bandas essa característica não é tão importante.

Pode-se optar por fotos feitas em estúdios, ou com cenários naturais e/ou artificiais.

A contratação de um profissional com certeza ajudará. Especialmente para as fotos em estúdio, ambiente em que se pode controlar a luz, vital para boas fotos. Mas, pode-se tentar fotos com alguma qualidade mesmo não sendo um.

Procure pesquisar um pouco sobre como tirar boas fotos, treine um pouco, aprenda a explorar cenários, o equipamento e a luz. E mande ver!

Evite Chavões

Mas, cuidado com os velhos chavões e cliches (a redundância aqui é proposital!). Grupos de rock adoram posar com caras feias em catacumbas ou no alto de edifícios, bandas de axé gostam de usar fotos na praia com roupas coloridas e sorrisos nos rostos.

As opções são muitas. Procure ser original e criativo nas fotos. Um trabalho musical deve ser criativo, as fotos precisam acompanhar essa criatividade, pois irão apresentá-lo. Então devem ser usadas imagens criativas.

Então, capriche! Seja criativo, faça uma pose legal!…

Fonte: gifbin.com

…, bom, talvez não seja recomendável usar de malabarismos e contorcionismos nas poses…

Videoclipe

Esse tema é bastante longo, dado que há diversas possibilidades. Por essa razão mostraremos aqui alguns detalhes que você deve levar em conta na produção de seu clipe.

Entenda que mais que em qualquer outra das fases de que já tratamos em nossas conversas,  um vídeo de sua música envolve a criação de várias coisas. Trata-se de algo que soma imagens ao som.

Enquanto nas fases anteriores o foco era o artista e sua música, na fase da produção de um videoclipe outro autor entra em cena: o diretor do vídeo. A menos que esse diretor seja o próprio artista.

Pós-Produção:
Fonte: http://esmolacultural.zip.net/

Exatamente por isso você precisa trabalhar a ideia do videoclipe pensando numa parceria. Da mesma forma que o produtor musical, o diretor do videoclipe deve ter sensibilidade para usar sua criatividade e conhecimento técnico a serviço da música que será objeto do clipe.

Ele precisa trabalhar com o objetivo de criar um vídeo como ferramenta de divulgação dessa música. Portanto, não interessa apenas que o vídeo fique bonito. Ele tem que ter tudo a ver com o que está sendo tocado.

Um vídeo lindo, primoroso, mas que não remeta à música para o qual ele foi feito acabará servindo mais para divulgar as imagens e o nome do diretor do vídeo que ela.

Sua Imagem

Portanto, lembre-se: o videoclipe precisa divulgar a sua imagem. E as melhores imagens costumam ser uma extensão da personalidade do artista.

Você, artista, deve pensar duas vezes antes de se dizer completamente diferente de políticos. Ambos vivem da construção de suas imagens, o que, ao menos nesse particular, os faz ter muito a ver.

Jim Morrison, quando perguntado sobre como definiria o seu grupo, o The Doors, cravou a genial frase: “pense em nós como políticos eróticos”.

Pós-Produção: Tudo O Que Precisa Saber
Fonte: media.tumblr.com

Há artistas que tentam associar-se à uma imagem mais polêmica, ousada, como Madonna, Mylei Cyrus e Lady Gaga. Outros preferem fugir desse padrão que está se tornando lugar comum no cenário pop atual e buscam algo mais sutil.

O importante é você também buscar uma identidade visual, uma imagem poderosa, ainda que não necessariamente polêmica. Os exemplos estão por aí, observe e aprenda.

Decida o que você é e o que pretende mostrar ao público. Deixe claras as suas influências, mas não seja uma cópia! Você não deve soar nem se parecer com ninguém. Não se esqueça jamais: seja você mesmo!

Qualquer que seja a sua decisão, será desenvolvido e amplificado pelo mais poderoso instrumento de divulgação: a mídia.

Planeje sua Pós-Produção

O espetacular livro “Manual de Produção de CDs e Fitas Demo”, de Marcelo Carvalho de Oliveira e Rodrigo de Castro Lopes (editora Gryphus) publicou uma sugestão de cronograma e modelos de planilha de cálculo de custo.

São ferramentas sensacionais para ajudar você e sua banda a seguir um planejamento, organizar uma orçamento e estimar quanto tempo será necessário desde o início da pré-produção, produção, pós-produção até a fase de distribuição. 

Depois da Pós-Produção: O Lançamento

O lançamento é uma etapa extremamente importante, e é onde 95% dos artistas e músicos erram.

Lançamentos nunca são únicos, é um ciclo de lançamentos.

Caso você tenha interesse em aprender a realizar lançamentos, dedicamos os módulos 31, 32, 33, 34, 35 e 36 do treinamento Artistas Exponenciais para abordar exatamente como lançamentos devem ser realizados.

Todo lançamento de produto ou serviço que tem como objetivo alcançar visualizações, obter exposição, conquistar mais fãs, transformar fãs em superfãs, monetizar suas visualizações/audições e vender.

Vamos apresentar para você um roteiro infalível para potencializar seu lançamento para alcançar melhores resultados, um após outro. O lançamento é uma operação complexa se realizado a parte, mas será fácil após absorver todos os módulos anteriores. Você vem comigo? Comece agora!

Clique aqui para conhecer mais sobre os Artistas Exponenciais.

No Posts Found

não vai deixar
seu autógrafo?

cursos gratuitos, networking, materiais de trabalho, diagnóstico, rede social... .. em 1 minutos você cria sua conta, é rápido