Tenho uma Banda… E Agora?

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Essa história de ter banda…

Moleques que geralmente gostam das mesmas coisas começam a se encontrar nos fins de semana para tocar e fazer um som. Isso é uma banda?

Cada um chega com uma sugestão, e começam a se reunir para tocar. Muitas vezes sem saber tocar direito, aprendem às pressas e de repente a primeira apresentação para um grupo de amigos, uma festa onde bate aquela louca vontade de tocar de novo.

Quando se dão conta, estão batizando a banda e se oferecendo no bar, na casa noturna e abrir o show de uma banda com mais estrada.

E vem a primeira composição de letra e música. Pronto: O bichinho picou de vez. E agora?

É difícil alguém pensar neste começo que é um trabalho. Ensaia nas horas de folga, fins de semana e não na semana de provas.

De repente um integrante começa a organizar as coisas: Logomarca, site, Canal no YouTube, gravação de ensaios, pré-produção, demo, um CD, levar a música para pessoas que entendem do assunto, conhecer bandas mais velhas, pegar conselhos e se reunir dias de semana à noite em estúdio para ensaiar.

Com o tempo, alguns vão se formar, começar a trabalhar, ou vão se casar e vão vender o instrumento. Você vai encontrar seus amigos na rua, num banco, num bar, num Shopping e vai perguntar:

“E aí, tá tocando?”

Você vai ouvir as mais variadas desculpas e motivos para dizer que não tem pegado no instrumento, ou que vendeu e nunca mais tocou. Seja para comprar o berço, para pagar o curso, ou mesmo que estava ocupando lugar de um quarto.

Se você passou por todas estas fases e ainda quer continuar tocando, você precisa fazer uma pergunta ao espelho: É só um hobby? Quero fazer sucesso com minhas músicas? Quero tocar cover na noite em bares?

Independente da resposta, você vai precisar se preparar. Sim, a preparação passa por todas as respostas que você se deu em frente ao espelho. A primeira dica que eu daria é:

Toque

Toque na aula, no ensaio, toque no show, toque na festa, toque no estúdio. Toque para a namorada, para o filho, para a mãe, para o pai. Quanto mais você toca, mais se acostuma com seu instrumento. Lembre-se que a voz também é um instrumento.

Quanto mais você se mostra para as pessoas, mais você vai tendo o retorno de quanto você agrada. Isto faz parte da preparação.

Muito mais do que entrar em estúdio com um super hiper maxi mega produtor experiente, mais do que gravar e querer tocar no rádio, na televisão, ter um vídeo clipe com milhões de visualizações, bem mais que tocar para 10 mil pessoas, o exercício é o melhor que você tem a fazer.

Tocar é se preparar. Se você é um compositor, toque suas músicas para o máximo de gente que você consiga. Olhe nos olhos da plateia, mostre suas músicas para o máximo número de pessoas possível. As outras coisas vão aparecer.

A sua relação com o instrumento, com o equipamento, palco, com o mercado, a sua relação com suas composições, ou com a produção do seu show, a sua intimidade com a música e com os demais músicos, tudo isso vem com a preparação e com o exercício.

Toque… toque muito. Além é claro de ter a satisfação de mostrar seu som, você vai pegar a cancha para fazer tudo o que você precisa e conhecer quem você precisa, pelo convívio e pela relação com o mundo da música.

O brilho nos olhos é importante e nem sempre sucesso é aparecer.

Muitas vezes sucesso é se realizar.

Boa sorte!

No Posts Found
Dicas e Sacadas

Como o Hábito Influencia a Música

Você sabia que o hábito pode ser responsável pelo sucesso ou fracasso de uma música? E que o hábito poderia explicar o motivo pelo qual

Vendas

Networking: um Guia Rápido para Músicos

Você tem utilizado o networking para alavancar o seu trabalho musical? Eu me recordo perfeitamente das oportunidades que deixei escapar por simplesmente não ter criado

não vai deixar
seu autógrafo?

cursos gratuitos, networking, materiais de trabalho, diagnóstico, rede social... .. em 1 minutos você cria sua conta, é rápido