Você Respeita a Galera do Music Business?

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

No meu ultimo texto falei sobre a importância do relacionamento dentro da banda. Mas e o lado externo, como encara a galera do music business? Você acha que se limita apenas ao seu público final?

Hum. Se sim, melhor começar a pensar de outra forma se quiser viver de música…

E como esta sua relação pessoal com seus fãs?

Conversou com algum deles recentemente? Sabe o que eles pensam sobre você, sua banda, suas músicas? Já conversou com eles pessoalmente?

Vamos lá, primeiramente temos que entender que ao falar de pessoas no ambiente externo, no music business, temos uma gama enorme de pessoas agregadas que direta ou indiretamente, irão passar por seu ciclo em dado momento.

Não caia na besteira de categorizar pessoas por seus interesses. Todas as pessoas podem agregar valor e não apenas financeiro. Não esqueça: a gente trabalha com música. Isso quer dizer que vendemos pensamentos, sensações, críticas, etc.

Quer algo mais humano que isso?

Music Business
O Bruno Mars faz hangouts constantes com seu público

Certo é que teremos mais simpatizantes do nosso nicho. De determinada idade, com relação a determinados propósitos, mas isso não torna todo o resto irrelevante. Trate bem as pessoas, lembre-se que um marketing viral mal intencionado pode acabar com sua carreira.

Começamos pela sua equipe. Você provavelmente tem pessoas que te acompanham e estão dispostas a ajudar sua banda. Estas pessoas funcionam com uma ponte para novos contatos, elas te ajudam a viver de música. Pense que cada um deles pode ter amigos numa rede social e que num compartilhamento podem trazer mais fãs até você.

Quantas vezes você se propôs fazer algo com esses amigos relacionados ao music business? 

Coisas simples, uma festa, um barzinho, um churrasco, um café. Estreitar a distância e reforçar essas relações de darão fãs ainda mais assíduos.

Quantos estúdios você já ensaiou? Já teve algum contato com os donos e bandas que frequentam o local?

Estes caras mexem simplesmente com uma gama enorme de bandas da sua região. Quem melhor do que eles pra dizer mais sobre a cena, bares, eventos e o que está dando algum retorno. Trate com carinho essas pessoas, elas podem também ser um fã ou alguém que irá difamar sua banda. Se quer viver de música, pense bem nisso.

Em qual (is) loja (s) você compra seus instrumentos? Lembra-se do (s) atendente (s)?

É bem provável que essa pessoa tenha uma grande ligação com a música. Além do que muitos músicos passam por ela e sua banda pode ser mencionada em algum momento. Pense que essas pessoas podem funcionar como um marketing de graça, eles não vão falar de você se não haver um tipo de relacionamento.

Lembre-se que como pessoas públicas que vendem algo você pode virar referência.

Nessa lista entra também o luthier, aquelas pessoas do grupo do Facebook de vendas de instrumentos, o dono do boteco perto da sua casa. O segurança, o atendente do local onde você pretende tocar, a pessoa que pede seu nome e telefone na entrada da balada.

Brinque. Diga que seu número vale mais por ser da banda que irá tocar ali em breve, peça desconto, diga que um autógrafo pode render algum dinheiro.

Você acabou de fazer uma puta propaganda de marketing de você como alguém mais simpático, e da sua banda. É óbvio que nem todas as pessoas irão se interessar ou terão alguma relação com a sua música e estilo, mas quem não arrisca não petisca. Ainda mais se tratando de music business.

Music Business
Seja brother

Um dos critérios de um bom músico é ser um bom comunicador. Então, se você nem da um olá a menina do caixa do mercado, ao açougueiro, a tiazinha da panificadora está na hora de rever se está na profissão certa e tentar melhorar isso.

Não esqueça também de falar com aquelas pessoas mais relacionadas ao seu trabalho. Produtores, agenciadores, o cara que esta mixando suas linhas de batera em outra cidade, ou na gringa.

Já trocou uma ideia com esses caras? Sabe de todo o histórico de bandas que já passaram por ali?  Virou amigo dele ou apenas tratou da qualidade de gravação da sua voz?

Não preciso nem dizer a rede de contatos que esse cara tem na agenda dele. Isso é music business.

Onde sua banda já tocou você conheceu o dono?  Trocou uma ideia?  Propôs talvez uma nova data de apresentação?

Deveria. Donos de casas de shows tem amizade com outros donos e contato direto com artistas às vezes até renomados. Se esse cara simpatiza com tua lata, ou sua música vem a calhar num dia bom e ele te recomenda, você tem uma grande chance de ser lembrado.

Mas e antes do show, lembra-se do tiozinho do som, aquele que montou toda a estrutura? Ou do responsável pela mesa de som?

Provável que ele tenha uma empresa relacionada a isso se não for da casa. E se você tiver um mínimo de conversa com ele, além de aprender muito sobre como estruturar seu som, também irá saber com quais bandas ele já trabalhou e quais casas ele atende.

Bom, fato é que estamos rodeados de pessoas no music business, e o que eu quero aqui é ressaltar que qualquer uma delas pode ser um bom contato. Esteja atento, não menospreze o segurança, não discuta com o garçom, não brigue na balada nem em caso de morte se estiver com uma camisa da sua banda.

Somos observados a todo o momento. A frequência num local onde pretende tocar irá te tornar um rosto cada vez mais conhecido, qualquer deslize pode ser fatal.

Abaixo listo algumas dicas que podem ser aplicadas quando for iniciar uma conversa com alguém que possa contratar sua banda (produtor, dono de bar,contratante).

Foco no assunto (essa pessoa não tem muito tempo disponível)

Antes de começar uma conversa, pense no que você está buscando. Ter foco no objetivo final faz com que a conversa seja mais produtiva e irá garantir um resultado mais próximo do que você busca. 

Seja ouvido

Um bom jeito de ser ouvido com atenção é envolver a pessoa na conversa como parte do projeto. Para incluir o outro na conversa, use o pronome “nós”, que deixa claro que há algo a ser compartilhado. “Use o ‘você’ somente para elogiar”.

Pergunte

Procure compreender a perspectiva da outra pessoa. Fazendo perguntas para esclarecer o assunto. Repetir as palavras do interlocutor ajuda a conferir se você interpretou o que foi dito corretamente.

Olhe para a pessoa

Prestar atenção é uma qualidade importante. E se você mostrar interesse terá uma chance maior de transparecer que realmente ficou interessado na proposta.

Cuidado como se portar

Seu corpo fala tanto quanto sua voz. Cuidado para durante a conversa não usar uma postura errônea, cuide também da sua fisionomia. “Verifique se há coerência entre o que você diz e o modo como seu corpo se comporta”

Pode sugerir ideias

O melhor é construir frases unidas pela conjunção “e”. “Adorei a ideia e acho que uma abordagem diferente seria mais eficaz”, por exemplo.

Esse artifício faz com que a outra pessoa ouça seu ponto com mais tranquilidade. Evite usar o “mas”. Pode parecer invasivo.

 
No Posts Found

não vai deixar
seu autógrafo?

cursos gratuitos, networking, materiais de trabalho, diagnóstico, rede social... .. em 1 minutos você cria sua conta, é rápido